Olá, meus safadinhos!

Semana passada eu contei como foi o meu primeiro encontro com o Alan e hoje vou contar como foi um dos meus primeiros orgasmos em um local proibido: no trabalho.

Lembram que eu disse que comprei um mini vibrador controlado por app? Então, nessa época eu trabalhava em um call center dando suporte a cartões de crédito e certo dia tive a brilhante ideia de colocar o meu mini vibrador dentro da minha vagina e simplesmente ir pro trabalho.

Durante o percurso acabei até esquecendo que ele estava lá, até porque ia em pé em um ônibus hiper lotado. Quando cheguei, coloquei minha bolsa no armário, peguei meu headset e fui pra minha P.A.

Cheguei lá, sentei e lembrei que o vibrador estava em mim, nessa hora já fiquei toda excitada, coloquei a mão no bolso pra pegar o celular escondido e me frustrei, tinha deixado o maldito na bolsa dentro do armário. Não podia sair, ia ter que esperar até o almoço e ainda era 7:30 da manhã!

Mesmo frustrada tinha que trabalhar, coloquei o head e comecei as benditas tarefas entediantes. Após atender todo o tipo de gente com os mesmos problemas tive uma surpresa feliz, o meu amiguinho estava vibrando, só alguns pulsos por vez, me lembrei que ele era conectado pra vibrar toda vez que eu recebia um whatsapp, SMS ou ligação, e naquele momento eu estava recebendo vários whats.

Aquelas vibraçõezinhas estavam me fazendo babar, eu estava atendendo um cliente e mal prestava atenção ao que ele falava, não estava mais nem aí se ele estava tentando comprar um celular de 4.000 reais e o cartão dele não passava.

Eu só queria passar a mão na minha ppk pra sentir ela molhadinha, mas claro não podia. As vibrações tinham parado e eu queria mais. Tive uma ideia brilhante, coloquei o cliente em espera, abri outra linha de chamadas e liguei pro meu celular, naquele momento o meu vibrador ficou louco, começou a vibrar na potência máxima e eu soltei um gemidinho leve.

Precisei voltar pra linha com o cliente e o vibrador não parava, mesmo depois que eu desliguei a ligação com meu celular, acho que naquele momento ele perdeu a conexão com o celular e entrou em looping vibrando incansavelmente.

Eu estava revirando os olhos, o cartão do cliente ainda estava bloqueado e eu disse na linha: – Ooo seu ca-ca-carrrtãom esstá com bloqueiuuuuuuuhh dddd-de segurança contra rooooooooooubo.

O cliente disse: -O que??

E eu respondi – Agua-Aguarde um instan-tante em liiiinha ppp-por gentilezzza.

Coloquei ele no mudo, deitei a cabeça na mesa, mordi o meu braço pra não gritar de tesão e gozei, tive um orgasmo delicioso. Fiquei sem fôlego e o vibrador não parava. A minha supervisora veio perguntar se eu estava bem e eu disse que estava com cólica (mal sabia ela).

Ela me mandou ir ao banheiro e tomar um remédio que ela assumiria a ligação, eu sem hesitar fui.

Quando levantei, senti a minha calça toda molhada, mas ninguém reparou nisso nem no barulinho “bzzzzzzzzzz” que saia das minhas pernas.

Fui me contorcendo até o banheiro que por sorte estava vazio, entrei num box, abaixei minhas calças, desliguei o virbadorzinho que estava pegando fogo de tão quente e sentei na privada fechada.

Eu estava escorrendo litros, passei a mão na minha bucetinha e uma gota grossa escorreu até a minha bunda, ela estava formigando e dormente, não pensei duas vezes, coloquei dois dedos nela e comecei a me masturbar, não aguentei e comecei a gemer, não estava nem aí se alguém entrasse. Tive mais dois orgasmos intensos seguidos sentada naquela privada.

Voltei pra minha mesa com a minha bucetinha inchada e babada e continuei a trabalhar. Muito mais relaxada claro.

Depois é claro que continuei com essa prática até sair da empresa tempos mais tarde. Mas não com o mesmo vibrador e sim com um outro que ganhei da menina punk do sex shop.

Semana que vem vocês vão entender o porquê.

Beijões, meus gostosos.